Sul


Aspectos Gerais





.Estados da região sul:
Rio Grande do Sul: 

Capital: Porto Alegre
Extensão Territorial: 268.781,896 km²
Quantidade de municípios: 469
População: 10.693.929 habitantes
Densidade demográfica: 39,8 hab./km²
Participação no PIB regional: 39,9%
Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): 0,832
Santa Catarina:

Capital: Florianópolis
Extensão territorial: 95.703,487 km²
Quantidade de municípios: 293
População: 6.248.436 habitantes
Densidade demográfica: 65,3 hab./km²
Participação no PIB regional: 23,6%
Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) – 0,840
Paraná: 
Capital: Curitiba
Extensão territorial: 199.316,694 km²
Quantidade de municípios: 399
População: 10.444.526 habitantes
Densidade demográfica: 52,4 hab./km²
Participação no PIB regional: 36,5%
Índice de Desenvolvimento Humano (IDH): 0,820

Aspectos Físicos:


Área total: 577.214 km²

População (2000): 27.384.815

- A população começou a crescer significativamente somente a partir do século XIX. Antes disso, a Região Sul se encontrava quase que completamente desabitada, exceto pelos povos nativos. O governo queria facilitar o controle e administração da região e temia a invasão de países vizinhos, caso a região continuasse desabitada. Portanto, o governo promoveu uma política de povoamento que atraiu imigrantes, principalmente de origem europeia.

Densidade demográfica (2000): 43,46 hab./km²

Principais cidades: Curitiba, Porto Alegre, Joinville, Florianópolis, Londrina e Caxias do Sul.

Vegetação: A vegetação da região sul, acompanha o clima e se adapta ao frio. Nas regiões mais frias, de  planalto, encontra-se a Mata dos Pinhais ou de Araucárias; na região da Serra do Mar podemos encontrar a Mata Atlântica; e na região da Campanha Gaúcha ou Pampa no Rio Grande do Sul, os Campos de Gramíneas. 
 
Mata das Araucárias.



Relevo: O relevo no Sul do Brasil se caracteriza pelas Depressões, Planaltos e Planícies. O relevo dessa região é dominado por duas divisões: o Planalto Brasileiro e o Planalto Atlântico (também denominado planalto Cristalino, abrange os estados Paraná e Santa Catarina. Suas elevações formam os "mares de morros") e o planalto Meridional (recobre a maior parte do território da Região Sul do Brasil, alternando extensões de arenito com outras extensões de basalto formando um solo raro). Em Santa Catarina, a planície costeira é estreita, principalmente no norte, e dessa forma continua pelo litoral paranaense, onde forma praias, dunas ou ainda restingas.

- Ponto mais elevado: Pico do Paraná (1992 metros de altitude)

Pico do Paraná.


Hidrografia: Tanto a serra do Mar quanto a Serra Geral estão localizadas próximas do litoral.  Dessa forma, o relevo da região Sul inclina-se para o interior e a maior parte dos rios segue de leste para oeste. Concentram-se em duas grandes bacias hidrográficas: a bacia do rio Paraná e a bacia  do rio Uruguai, ambas subdivisões da Bacia Platina.
- Rios Principais: Rio Panamá, Rio Jacuí, Rio Uruguai, Rio Pelotas e Rio Itajaí.
Usinas Hidrelétricas: Itapuí (Rio Panamá), Machadinho (Rio Pelotas) e Itá (Rio Uruguai).


 
Usina Hidrelétrica de Itapuí - Construída na fronteira entre Brasil e Paraguai.


 Clima: Com exceção do norte Paraná, o clima predominante na região sul é o clima subtropical um clima de transição entre o tropical predominante no Brasil e o temperado, predominante na Argentina - o que explica as baixíssimas temperaturas. São as mais baixas do Brasil e em alguns locais as temperaturas chegam à abaixo de zero, gerando geadas e neve. Esse tipo de clima que atraiu os imigrantes europeus, que contribuíram para o desenvolvimento da região no século XX.

      



Aspectos Sócio-Econômicos:

- IDH (Índice de Desenvolvimento Humano): 0,830.
- Taxa de Mortalidade Infantil: 15,1 a cada mil nascidos.
- Taxa de Analfabetismo: 5,5%.
- Expectativa de Vida: 75 anos.
- PIB total da região (2003): 386.758.428.000,00 reais.
- Renda per capita (2009): 21.215 reais.
- População em idade escolar (2010): 6.014.722
Turismo:
Praia da Guarita, localizada na cidade de Torres.
As cidades litorâneas possuem uma excelente infra-estrutura turística (aeroportos, pousadas, hotéis, parques, etc). As praias catarinenses e paranaenses se destacam pelas belezas naturais, principalmente no litoral catarinense. Há também o turismo histórico-cultural, com cidades de arquitetura e costumes do período da colonização italiana e alemã (final do século XIX e início do XX) no Rio Grande do Sul, por exemplo (Serra Gaúcha).
Agricultura:

Os principais produtos agrícolas são: soja, trigo, arroz, algodão, cana-de-açúcar, laranja, uva, café e erva-mate.
Apesar de a pecuária ocupar a maior parte do espaço territorial sulista, a atividade econômica de maior rendimento e que emprega o maior número de trabalhadores é a agricultura.
A atividade agrícola na região Sul teve início no litoral, na Campanha Gaúcha. Após a vinda de imigrantes europeus, foram desenvolvidas, principalmente, as policulturas com o uso de mão de obra familiar.
Recentemente, houve muitas mudanças na configuração do espaço agrário sulista. As policulturas deram lugar às monoculturas, a produção começou a se voltar para o mercado externo, as propriedades que anteriormente eram de pequeno e médio porte, tornaram-se grandes latifúndios e o trabalho deixou de ser predominantemente familiar para ser mecanizado. Tal processo gerou um êxodo rural e a migração de sulistas para outras regiões do Brasil.
      
 A região Sul continua desempenhando um grande papel na produção agrícola nacional. Sendo responsável pela produção de, pelo menos, 70% do trigo e da soja, 65% de uva e 50% do milho e do arroz.

. Indústria:
Cidade industrial em Curitiba.
O setor industrial da região sul, assim como praticamente todos os seguimentos econômicos, se destaca positivamente.
Na região estão inseridos diferentes tipos de indústrias, sobretudo têxtil e alimentícia, que utilizam 
como matéria-prima a produção agropecuária desenvolvida na região.
Os incentivos para a instalação de diversas empresas na Região estão ligados aos benefícios fiscais oferecidos pelos estados. Além da proximidade com os parceiros comerciais do MERCOSUL (Paraguai, Uruguai e Argentina).

Aspectos Culturais:
Muitas cidades do sul do país foram fundadas por colonos alemães e italianos. Portanto, a cultura desta região é fortemente marcada pela influência cultural destes países europeus.
Os gaúchos dos pampas, ou das cidades, formam um povo alegre e rico em tradições. A riqueza cultural do Sul é muito grande, um exemplo disso é Curitiba, nomeada em 2003 como capital da Cultura das Américas, instituída por organismos da ONU (Organização das Nações Unidas). 
As características culturais da região sul é fortemente influenciada pela cultura europeia. Ainda hoje, algumas cidades do Sul, celebram tradições e festas típicas, como a Oktoberfest, em Blumenau (SC) e a Festa da Uva, em Caxias do Sul (RS), que atraem muitos turistas. Algumas cidades falam línguas estrangeiras e tem como pratos típicos comidas europeias.
Culinária: É marcante no Rio Grande do Sul e Santa Catarina o consumo do churrasco (carne bovina assada em espetos), o chimarrão (bebida quente feita com as folhas e talos tostados da erva-mate, tomada em cuias de cabaça e canudos com filtros metálicos, as "bombas"), o pinhão (semente do pinheiro-do-paraná), a polenta, e outros pratos típicos dos imigrantes. Já culinária paranaense se caracteriza pelo barreado, um cozido de carne; peixes de água doce; churrasco; pinhão, soja, charque entre outros.



Principais problemas ambientais na Região Sul:


- Áreas desertificadas, devido a exploração pecuária durante séculos; 


A região da campanha, também conhecido como pampa gaúcho se caracteriza por elevações suaves e alongadas, as coxilhas. Nesta região é praticada a pecuária, ou seja, o cultivo do gado. O solo é desertificado em algumas partes da Campanha devido ao abuso de máquinas agrícolas, adubos químicos e pisoteio do gado.



- Pisoteio do gado nas matas destruindo as novas árvores.


- O cultivo de florestas com espécies não-nativas, que alteram os ecossistemas;
Para reflorestamento, extração de madeira, etc. muitas espécies não-nativas são cultivadas fora de seu ecossistema. Por não terem predadores naturais, essas espécies podem se multiplicar sem controle, tornando-se assim uma praga, como é o caso do Eucalipto. Por não terem uma boa relação com a floresta nativa, podem competir desigualmente pelo espaço, chegando até matar as espécies nativas, como é o caso da Leucena, que em seu habitat natural com pouca água, desenvolveu uma substância que impede o crescimento de outras espécies ao seu redor, para evitar a competição pela água escassa.
- Extinção de espécies.


Caça e destruição de habitat.


- Desmatamento.







- Exploração ilegal e predatória dos ecossistemas;


Descumprimento de leis ambientais em prol do crescimento econômico.

- Processos erosivos que criam voçorocas e desmoronamentos de encostas;


- Uso excessivo de produtos tóxicos, venenos e pesticidas.


 Desfertilização do solo por conta da alta exploração do solo. O solo se gasta. 



- Destruição das matas ciliares.


 Provoca escassez da água, erosão, assoreamento e perda de nutrientes do solo, perda da qualidade    da água impede a formação de corredores naturais e causa enchentes. 



- Plantio de grãos "transgênicos"


 Promove mudanças genéticas em plantas naturais, modificando habitat natural, modificando os    solos, desmatando áreas para plantio de transgênicos.

- Queimadas, erosão, falta de curvas de nível.





- Poluição dos rios etc...


Nenhum comentário:

Postar um comentário